SatClube Fórum Patrocinado Por



Responder tópico
Operadores de Satélites: noticias, eventos, comentários.
Você está no fórum Satélite
Pág. Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6  Próximo

SMITH
SÃO LUÍS - MA
br.gif
Mensagem: #81
21/09/2017, 15:55

As tvs que vejo estao disponiveis em 720p e 1080p e roda perfeitamente,nós é que escolhemos a resolução que queremos e quais programas ver já que quando são AO VIVO AGORA/EN VIVO AHORA vc pode retroceder e ver os programas anteriores,pode colocar o audio mais rápido ou mais lento podendo compreender melhor o que é dito quando em outra língua como o ingles,ja que os americanos falam muito rápido,enfim,são várias funçoes que na tv convencional não tem como fazer...

Enviar mensagem privada Responder com citação Exibir o perfil do usuário


J.B.F.LIMA
Barreiras - Bahia
Mensagem: #82
22/09/2017, 07:35

Telebras quer usar satélite para conectar 40 mil pequenas localidades onde só há orelhão


http://teletela.com.br/teletime/21/09/2017/telebras-vai-usar-satelite-para-conectar-40-mil-pequenas-localidades-sem-acesso-internet/?noticiario=TT

Enviar mensagem privada Responder com citação Exibir o perfil do usuário


HeitorPosada
Araruama - RJ
br.gif
Mensagem: #83
22/09/2017, 08:53

SMITH escreveu:
As tvs que vejo estao disponiveis em 720p e 1080p e roda perfeitamente,nós é que escolhemos a resolução que queremos e quais programas ver já que quando são AO VIVO AGORA/EN VIVO AHORA vc pode retroceder e ver os programas anteriores,pode colocar o audio mais rápido ou mais lento podendo compreender melhor o que é dito quando em outra língua como o ingles,ja que os americanos falam muito rápido,enfim,são várias funçoes que na tv convencional não tem como fazer...

Não é pratico e econômico se usar computadores (Smartphones idem, apesar das telas diminutas) para ver Tv. São equipamentos mais complexos e que tem outras utilidades. Tem um custo mais alto e requerem ajustes de soft e hardware mais complexos. Depende de Internet estavel e de alta velcidade e os custos desta. Em 5 anos o computador é considerado obsoleto e os hardware que não funcionam, não tem similar para trabalhar com os que restam funcionado. Já os sistemas operacionais e seus apensos, vão tendo de ser substituidos em poucos anos. Já via satélite ( e digital terrestre) as tecnologias são duradouras (mais de 20 anos), os televisores tem longa durabilidade e os receptores de satélites são elementos simples, compactos, de relativo baixo custo e durabilidade de muitos anos - alem da qualidade garantida sem precisar de incrementos a parte. Um computador tem outros usos e nem todos tem dinheiro para ter varios, mante-los e ter disponiveis só para ficar vendo televisão. Não a toa Directv e Sky lançaram seus proprios satélites para DTH, fato que baseado em estudos destas emperesas, Tv massiva via Internet não emplaca nos proximos 25 anos (durabilidade desses satélites).

Enviar mensagem privada Responder com citação Exibir o perfil do usuário MSN Messenger


HeitorPosada
Araruama - RJ
br.gif
Mensagem: #84
22/09/2017, 08:57

SMITH escreveu:
As tvs que vejo estao disponiveis em 720p e 1080p e roda perfeitamente,nós é que escolhemos a resolução que queremos e quais programas ver já que quando são AO VIVO AGORA/EN VIVO AHORA vc pode retroceder e ver os programas anteriores,pode colocar o audio mais rápido ou mais lento podendo compreender melhor o que é dito quando em outra língua como o ingles,ja que os americanos falam muito rápido,enfim,são várias funçoes que na tv convencional não tem como fazer...

A Tv Antena Latina - www.antenalatina7.com, WEB Tv, indica um quadradinho em baixo da tela, "HD". Quando coloco a seta do PC ali, aparece até 420p. Essa Tv eu via muito no Is 14, da Rep. Dominicana, devido a seriados antigos; todavia o sinal ficou pessimo em telada de 1,90m e as vezes vou lá na WEB Tv - raramente ,pois não gosto de WEB Tv.

Enviar mensagem privada Responder com citação Exibir o perfil do usuário MSN Messenger


digital_scientist
São João da Boa Vista - SP
br.gif
Mensagem: #85
22/09/2017, 18:37

Caro Lima:

- Alguma novidade sobre a Banda KA do D1 ou do 75W?

Será quando teremos uma opção a mais do que a Hughes....

Abraços.

Enviar mensagem privada Responder com citação Exibir o perfil do usuário


J.B.F.LIMA
Barreiras - Bahia
Mensagem: #86
23/09/2017, 12:05

digital_scientist escreveu:
Caro Lima:

- Alguma novidade sobre a Banda KA do D1 ou do 75W?

Será quando teremos uma opção a mais do que a Hughes....

Abraços.


Não meu caro, não tenho informações mais atualizadas sobre a banda KA do D1, acho que está mais facil começar a operar a banda KA do SGDC já que a Telebras está negociando o leilão de oferta do satélite, após brigas na justiça que estava atrasando o processo, agora resolvido. Só não sei ainda quem são os pretensos distribuidores.

Citação:
Valente diz que TCU negou pedido de cautelar para barrar leilão do satélite
http://teletela.com.br/teletime/21/09/2017/valente-diz-que-tcu-negou-pedido-de-cautelar-para-barrar-aluguel-do-satelite/?noticiario=TT


Mais recentemente foi difulgado que a MultTV vai distribuir canais de tv por assinatura por IP no satélite SES 6, ao custo variando entre R$ 50 mil e 100 mil, mas esse satélite nao tem banda KA, então deve usar frequencia de dados na banda C, porque acho que a banda KU está direcionada para a OI tv.

Não sei dizer qual seria o custo de um transponder KA para as operadoras, e quais seriam os pacotes oferecidos para os assinantes individuais, mas é bem provável que aumente a quantidade de concorrentes da Hughes que poderia forçar a baixar o preço final para o assinante.

Enviar mensagem privada Responder com citação Exibir o perfil do usuário


J.B.F.LIMA
Barreiras - Bahia
Mensagem: #87
27/09/2017, 13:46

AEB INVESTE EM PROJETO QUE AUMENTA VIDA ÚTIL DE SATÉLITES E NAVES ESPACIAIS

Uma parceria entre a Agência Espacial Brasileira (AEB) e a Universidade de Brasília (Unb), por meio do programa Uniespaço, vai impulsionar nos próximos anos a área espacial brasileira. Trata-se do desenvolvimento de pesquisas de propulsores a plasma tipo Hall, que entre diversas funcionalidades, otimizam e aumentam a vida útil de satélites geoestacionários e naves espaciais.

As pesquisas são desenvolvidas no Laboratório de Física de Plasmas da UnB e os resultados aplicados no projeto científico voltado para a realização de trabalhos técnicos de professores e estudantes. O projeto tem o objetivo de integrar o setor universitário às metas do Programa Nacional de Atividades Espaciais (PNAE), a fim de atender à demanda tecnológica do setor no desenvolvimento de produtos e processos, análises e estudos, para formar uma base sólida de pesquisa capazes de executar projetos de interesse da área espacial.

Precursor em universidades brasileiras, o LFP estuda também as aplicações dos plasmas para o aprimoramento de tecnologias ambientais, novos materiais, nanotecnologia e pesquisas relacionadas com a fusão termonuclear controlada.

De acordo com o coordenador do projeto, José Leonardo Ferreira, professor de Física da UnB, o estudo da propulsão espacial com plasmas é essencial para o aperfeiçoamento de missões espaciais de longa duração. O estudo da propulsão elétrica muito nos últimos 20 anos com a aplicação desses propulsores no controle de satélites de órbita baixa, média e geoestacionária, bem como de veículos espaciais em missões no sistema solar. Ele ressaltou ainda, que a expectativa é que a tecnologia de propulsores a plasma seja utilizada em missões tripuladas a Marte a partir de 2050.

Componente

O plasma é um gás ionizado composto por igual número de elétrons e de íons também conhecido como o quarto estado da matéria. Ele possui as mais altas temperaturas é o componente principal das estrelas, nebulosas e galáxias e por isso constitui 99% da matéria do universo visível.

Segundo o professor Leonardo, na Terra o plasma precisa de condições especiais para ser produzido, por isso o desenvolvimento e teste de propulsores a plasma precisarem de recipientes a vácuo e de equipamentos especiais para produção de forma controlada.

Desenvolvido com a colaboração de pesquisadores da Rede Brasileira de Propulsão Elétrica, participam do projeto pesquisadores dos Laboratórios Associados de Plasma e de Combustão do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), Universidade Estadual de São Paulo (Unesp), Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e Faculdades de Tecnologia da UnB (FT e FGA) com destaque para os laboratórios de propulsão Aeroespacial do recém-criado curso de Engenharia Aeroespacial da UnB.

Investimento

Para realizar pesquisas e testes dos propulsores a plasma no laboratório da UnB, a Agência Espacial investiu na instalação de equipamentos adequados e de uma nova câmara de vácuo, adquirida em janeiro de 2017. O equipamento deve contribuir em breve para a realização das pesquisas desenvolvidas por alunos dos cursos de Física e Engenharia, e também para realização de trabalhos de iniciação científica, estágios, mestrado e doutorado.

O laboratório desenvolve propulsores a plasma do tipo Hall designados como Phall. Já foram desenvolvidos os modelos Phall I Phall IIa, IIb e IIc. Eles possuem em comum um arranjo de imãs permanentes posicionados em um canal com geometria cilíndrica. A posição dos imãs e as dimensões do canal da corrente Hall são calculados a partir de simulação computacional para obter as características do plasma e dos campos magnéticos com maior eficiência do propulsor. O campo magnético obtido a partir de imãs permanentes produz uma substancial economia na potência elétrica do propulsor.

O Phall IIc é o propulsor que está sendo aperfeiçoado hoje na UnB. Um dos principais objetivos imediatos do projeto é tornar o Phall mais compacto para testá-lo no espaço em pequenos satélites, com potência inferior a 100 watts.

“Esperamos que no futuro seja possível desenvolver e testar propulsores a plasma do tipo Hall mais potentes que possam vir a serem utilizados em missões espaciais brasileiras a lua ou mesmo a planetas e pequenos corpos do sistema solar.

José Leonardo ressaltou ainda que o LFP tem participado de forma ativa nas ações propostas para o desenvolvimento do Programa Espacial Brasileiro contribuindo com novas e desafiadoras missões espaciais, como por exemplo, a Missão ASTER (Missão a um asteroide triplo próximo utilizando propulsão elétrica), proposta para a AEB alavancar a primeira missão brasileira de espaço profundo.

A propulsão elétrica foi testada no espaço pela primeira vez na década de 1960, no lançamento dos satélites SERT I e II, ambos operados pela Agência Espacial Norte Americana (Nasa). Desde a época, missões espaciais que utilizam essa tecnologia têm como principal objetivo controlar altitude e órbita de satélites geoestacionários. A participação de empresas na área é cada vez maior, uma vez que esta tecnologia contribui significativamente para o aumento da vida útil desses satélites.

O LFP desenvolve propulsores elétricos do tipo Hall desde 2004, com o apoio de agências de fomento, como a Fundação de Apoio à Pesquisa do Distrito Federal (FAPDF), a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), Fundação de Empreendimentos Científicos e Tecnológicos (Finatec) e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Aplicações espaciais

O LFP foi criado em 1995, sendo o desenvolvimento de fontes de plasma para aplicações espaciais iniciado em 2002, com a montagem do primeiro propulsor a plasma do tipo Hall com imãs permanentes, como o Phall I que serviu para demonstrar a viabilidade dessa nova tecnologia.

O projeto possibilita a elaboração e publicação de vários trabalhos técnico- científicos e a participação de estudantes e professores em congressos nacionais e internacionais, assim como a elaboração de cursos e disciplinas com foco na área espacial ministradas anualmente na UnB.

Coordenação de Comunicação Social – CCS

http://www.aeb.gov.br/aeb-investe-em-projeto-que-aumenta-vida-util-de-satelites-e-naves-espaciais/

Enviar mensagem privada Responder com citação Exibir o perfil do usuário


J.B.F.LIMA
Barreiras - Bahia
Mensagem: #88
27/09/2017, 13:51

Cemitério de satélites se expande e companhias tentam pôr ordem no céu

Este trecho é parte de conteúdo que pode ser compartilhado utilizando o link http://www.valor.com.br/empresas/5131610/cemiterio-de-satelites-se-expande-e-companhias-tentam-por-ordem-no-ceu

Enviar mensagem privada Responder com citação Exibir o perfil do usuário


J.B.F.LIMA
Barreiras - Bahia
Mensagem: #89
27/09/2017, 13:55

Projeto de Musk para cinturão de satélites encontra obstáculos...

- Veja mais em https://economia.uol.com.br/noticias/bloomberg/2017/09/26/projeto-de-musk-para-cinturao-de-satelites-encontra-obstaculos.htm?cmpid=copiaecola

Enviar mensagem privada Responder com citação Exibir o perfil do usuário


J.B.F.LIMA
Barreiras - Bahia
Mensagem: #90
27/09/2017, 13:59

ROSSATO diz que aluguel do satélite geoestacionário não compromete a soberania

O comandante da Aeronáutica, Brigadeiro Nivaldo Rossato, afirmou, em audiência pública no Senado, que o aluguel do Satélite Geoestacionário brasileiro (SGDC), operado pela Telebrás e pelas Forças Armadas, não compromete a soberania quanto ao controle das comunicações estratégicas do setor de defesa. “O controle dos canais de comunicação permanece conosco, inclusive com prerrogativas de veto”, afirmou Rossato.

O comandante da Aeronáutica participou de audiência conjunta das comissões de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE) e de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática (CCT) nesta quinta-feira (21) sobre o aluguel por meio de leilão de 57% da capacidade do SGDC, prevista para o dia 17 de outubro, segundo cronograma do governo federal. Pelo edital, as empresas vencedoras do leilão arrematarão dois blocos da banda KA por cinco anos, podendo renová-los por mais cinco anos.

Rossato afirmou que modelo de gestão aplicado ao satélite geoestacionário indica um início de caminho para que o Brasil efetive sua soberania em setores estratégicos. “Mas reitero que isto é apenas um começo, nós temos que ampliar a nossa capacidade. Não podemos dormir e acharmos que o SGDC seja suficiente. E outros satélites sairão mais baratos, porque toda uma infraestrutura já foi disponibilizada”, explicou aos senadores.

O comandante da Aeronáutica lembrou que o projeto do SGDC nasceu em 2003 na Força Aérea, tornando-se viável nos últimos anos a partir da previsão de 70% de seu uso por parte da sociedade civil. Também foi tratado, durante a audiência, o planejamento estratégico em torno do SGDC, como parte do lançamento de cinco satélites, buscando suprir as necessidades nacionais no que se refere a comunicações estratégicas e a universalização da banda larga.

SETOR ESPACIAL

Como parte da consolidação deste processo, Rossato lamenta que o Brasil não valorize investimentos no setor espacial. Ele lembrou que o país, com 8,5 milhões de quilômetros quadrados, ainda não possui satélite de órbita baixa, meteorológico ou uma constelação própria. “A Argentina investe U$ 1,2 bilhão por ano na área espacial, enquanto nós investimos U$ 100 milhões. Ao final o SGDC atende a uma das necessidades que nós temos. Felizmente nosso centro de controle está preparado para o futuro, para quando o Brasil acordar e colocar seus satélites de órbita baixa, meteorológicos, de comunicações táticas e óticos”, finalizou o comandante da Força Aérea.

Enviar mensagem privada Responder com citação Exibir o perfil do usuário






J.B.F.LIMA
Barreiras - Bahia
Mensagem: #93
05/10/2017, 07:35

STJ decide que compartilhamento de antena não caracteriza sublocação

http://teletela.com.br/teletime/04/10/2017/stj-decide-que-compartilhamento-de-antena-nao-caracteriza-sublocacao/?noticiario=TT

Enviar mensagem privada Responder com citação Exibir o perfil do usuário


J.B.F.LIMA
Barreiras - Bahia
Mensagem: #94
05/10/2017, 07:37

PARTE DO PROJETO DO SGDC, ANTENA DE FLORIANÓPOLIS (SC) COMEÇA A SER INSTALADA

Começou nesta semana a montagem da antena da Estação de Acesso, também chamada gateway, de Florianópolis (SC), que faz parte da rede de estações terrestres que fazem o tráfego de dados do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC). O equipamento, de 13 metros de diâmetro, veio da China.

“É realmente impressionante a tecnologia envolvida na fabricação e montagem dessa antena. Ao todo, são 65 toneladas de equipamentos”, explica o engenheiro Lúcio Carvalho, da Telebras.

A antena na capital catarinense se junta às que já estão instaladas em Brasília (DF) e no Rio de Janeiro (RJ). Nas próximas semanas, outras duas antenas de grande porte em Banda Ka vão começar a ser montadas, em Salvador (BA) e Campo Grande (MS).

O SGDC é o primeiro equipamento geoestacionário brasileiro de uso civil e militar e será integralmente controlado pelo Brasil. Ele é fruto de uma parceria entre o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) e o Ministério da Defesa, e envolve investimentos de R$ 2,7 bilhões. Adquirido pela Telebras, o artefato tem uma banda Ka, que será utilizada para comunicações estratégicas do governo e implementação do Plano Nacional de Banda Larga (PNBL) – especialmente em áreas remotas –, e uma banda X, que corresponde a 30% da capacidade do equipamento, de uso exclusivo das Forças Armadas.

Além de assegurar a independência e a soberania das comunicações de defesa, o acordo de construção do satélite envolveu largo processo de absorção e transferência de tecnologia, com o envio de 50 profissionais brasileiros para as instalações da Thales Alenia Space, em Cannes e Toulouse, na França. São especialistas oriundos de órgãos como a Agência Espacial Brasileira (AEB) e o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) – ambas entidades vinculadas ao MCTIC –, além do Ministério da Defesa e das empresas Visiona e Telebras.

Esses profissionais, engenheiros e técnicos, puderam aprender a operar e controlar o equipamento em solo. Este trabalho será feito por militares a partir do VI Comar e da Estação de Rádio da Marinha, no Rio de Janeiro (RJ).

http://www.aeb.gov.br/parte-do-projeto-do-sgdc-antena-de-florianopolis-sc-comeca-a-ser-instalada/

Enviar mensagem privada Responder com citação Exibir o perfil do usuário


J.B.F.LIMA
Barreiras - Bahia
Mensagem: #95
05/10/2017, 07:48

A vida e a morte de um satélite artificial na órbita da Terra ... - Veja mais em https://noticias.uol.com.br/ciencia/ultimas-noticias/redacao/2017/10/03/a-vida-e-a-morte-de-um-satelite.htm?cmpid=copiaecola

Enviar mensagem privada Responder com citação Exibir o perfil do usuário


J.B.F.LIMA
Barreiras - Bahia
Mensagem: #96
05/10/2017, 08:00

Há 60 anos, satélite Sputnik 1 iniciava a corrida espacial
Satélite lançado em 1957 circulava a Terra a cada 96 minutos

No dia 4 de outubro de 1957, um grande marco da exploração espacial acontecia na história: o Sputnik 1 foi lançado. O satélite russo tinha como finalidade apenas transmitir um sinal de rádio que fazia um “beep” e podia ser escutado por aparelhos no mundo todo.

Com o seu lançamento, o Sputnik provou duas coisas importantes: que era possível colocar em órbita um artefato humano e enviar seres vivos no espaço, inclusive humanos.

Lembrando que o primeiro ser vivo enviado ao espaço foi a cadela Laika, durante a missão do Sputnik 2, no dia 3 de novembro do mesmo ano.

De acordo com a Folha de S. Paulo, o satélite circulava o planeta Terra a cada 96 minutos. O lançamento foi um marco, em um período que os Estados Unidos e a Rússia protagonizavam a Guerra Fria.

"O Sputnik 1 foi o triunfo de uma política centralizada e isso fez com que a URSS conseguisse uma vitória num primeiro momento", disse o físico e historiador Shozo Motoyama, da USP.

https://www.noticiasaominuto.com.br/tech/455793/ha-60-anos-satelite-sputnik-1-iniciava-a-corrida-espacial

Enviar mensagem privada Responder com citação Exibir o perfil do usuário


HeitorPosada
Araruama - RJ
br.gif
Mensagem: #97
05/10/2017, 12:34

O curioso é que o lojista que conheço em Niterói RJ, portanto junto a Capital RJ, me disse que receptores analogicos para o C2 continuam com saida regular ! E nem é interiorzão !

Enviar mensagem privada Responder com citação Exibir o perfil do usuário MSN Messenger




J.B.F.LIMA
Barreiras - Bahia
Mensagem: #99
07/10/2017, 13:57

Nova programadora com canais ativos no NSS-806 está negociando a entrada nas tv por assinatura no Brasil.

Lista de canais:


A SPI International é um programador europeu com desenvolvimento mundial com bases em Varsóvia, Istambul, Londres e Nova York. A empresa está agora desembarcando na América Latina e no Caribe onde Gustavo Mónaco, dirige sua distribuição e promove seu portfólio de sinais HD e UHD do grupo.

‘A SPI, uma empresa europeia líder em conteúdos, oferece possibilidades para TV Linear e conteúdo VOD tanto para os canais de distribuição tradicionais, quanto para novas plataformas. Os Canais SPI estão disponíveis para DTH, Cabo, Mobile, OTT, TV everywhere, IPTV e Smart TV. Acompanhamos as operadoras de qualquer segmento de negócio: do mais tradicional ao new media’, afirmou Mónaco para a Prensario.

‘Já os oferecemos assim na Europa, América do Norte, África, Oriente Médio e Ásia. Alguns dos nossos canais estão disponíveis atualmente no Caribe anglofalante (Bahamas, Trinidade e Tobago, Granada, Haiti e Jamaica) e estamos terminado de dublar os canais em espanhol e português para distribuir na região a partir do segundo semestre. No Brasil, onde fizemos um acordo com a Ancine em 2015, estamos negociando com operadoras de TV por assinatura, OTT´s e ISP´s’, acrescentou.

Entre os principais canais internacionais estão FilmBox Arthouse com filmes clássicos e independentes; a FightBox, com mais de 30 disciplinas de luta e com um conceito diferente ao dos conhecidos que inclui eventos ao vivo. ‘É o de melhor percepção e resposta em nosso portfólio’, disse Mónaco. Também a Fast&FunBox, com todo tipo de incríveis esportes extremos, a DocuBox, com documentários premiados; a FashionBox, de lifestyle e moda; e a 360TuneBox, que recupera o velho conceito de canal de música.

Além dos canais lineares, a companhia oferece FilmBox Live, uma plataforma SVOD multi-tela que complementa a oferta não linear de qualquer operadora de TV por assinatura, mobile ou internet. ‘Temos flexibilidade para nos adaptar a estratégias nas novas mídias das operadoras. Vemos uma necessidade concreta deste tipo de conteúdo e esperamos assinar novos acordos de distribuição na América Latina nos próximos meses’, ressaltou Mónaco.

E finalizou: ‘As operadoras precisam de produtos que complementem a experiência do usuário. E principalmente produtos com flexibilidade, que estejam disponíveis online, streaming, VOD, etc. A SPI oferece um produto para qualquer ponto do ecossistema digital’.

http://spiintl.com/brasil

Enviar mensagem privada Responder com citação Exibir o perfil do usuário


J.B.F.LIMA
Barreiras - Bahia
Mensagem: #100
10/10/2017, 07:39

Quem tiver interesse em baixar gratuitamente o livro POLITICAS PUBLICAS DE RADIODIFUSÃO, acesse o link abaixo:

https://faclivros.wordpress.com/2017/09/29/politicas-publicas-de-radiodifusao-no-governo-dilma/

O livro retrata um período agitado nas comunicações brasileiras. Naqueles anos, dentre outras ações, começou o desligamento da TV analógica; o rádio AM iniciou sua transição para a faixa de FM; foram criados os Planos Nacionais de Outorgas (PNOs), fruto de uma política de ampliação da transparência e que resultaram na publicação de dezenas de editais para selecionar novas emissoras de rádio e TV. Mas também, naquele período, o governo federal deixou de encaminhar ao Congresso Nacional uma proposta de novo marco regulatório para a radiodifusão.

O autor ajudou a construir várias dessas políticas públicas, já que, como servidor público, trabalhou no Ministério das Comunicações de 2011 a 2016. Neste livro, articula, explica e analisa uma série de informações públicas e disponíveis, mas nem sempre compreensíveis para quem não atua na administração pública. Assim, o livro contribui para a preservação da memória de uma época e de um setor e é leitura importante para quem lida com políticas públicas de comunicação e com a administração pública.

Enviar mensagem privada Responder com citação Exibir o perfil do usuário


Página 5 de 6 Pág. Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6  Próximo
As mensagens publicadas são de responsabilidade de seus autores

Publicidade

  • E-Shop Satélite Crispim
  • Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

    Get Adobe Flash player

  • Anuncie aqui
  • Anuncie aqui
Desenvolvido por Danilo Rodrigues


BSD SHOP - Radio BSD - BSD TV
Contato - Atualizar Satélite - Atualizar Canais Terrestre
Fone: (11) 4526-6791 | E-mail: contato@portalbsd.com.br